Hiperplasia da próstata

Hiperplasia da próstata

O que é?

A hiperplasia da próstata benigna (HPB) é caracterizada pelo aumento benigno do tamanho da próstata, que se inicia em homens com mais de 40 anos. É uma condição intimamente relacionada ao envelhecimento do homem, podendo acometer até 90% dos indivíduos com idade superior a 80 anos. Em alguns homens, este crescimento da próstata pode ocasionar obstrução da uretra fazendo com que apresentem sintomas urinários incômodos. Dentre os principais sintomas da hiperplasia da próstata estão a diminuição do jato urinário, sensação de que a bexiga não foi totalmente esvaziada ao urinar, micção com jato intermitente e demorado, aumento da frequência urinária, necessidade urgente de urinar.

Existe tratamento?

O tratamento está indicado quando o paciente apresentar sintomas urinários que estejam interferindo na sua qualidade de vida, ou quando o urologista se deparar com sinais de complicações decorrentes da hiperplasia da próstata. As complicações mais comuns são infecção urinária, retenção urinária, formação de cálculo na bexiga, infecção na próstata (prostatite) ou nos epidídimos e testículos (orquiepididimite), sangramento na urina (hematúria). A ultrassonografia é uma ferramenta valiosa no seguimento do HPB, pois pode dar algumas informações relevantes na indicação de tratamento, como sinais de sobrecarga da bexiga (espessamento da parede vesical, presença de trabeculações ou divertículos) e presença de resíduo pós-miccional elevado. Outra utilidade da ultrassonografia é fornecer o tamanho da próstata. É importante ressaltar que não há uma relação direta entre tamanho da próstata e gravidade do HPB. O fator mais importante na determinação da gravidade do HPB é o quanto a uretra está obstruída pelo aumento da próstata. Por exemplo, existem casos de próstatas de cerca de 30 gramas que são muito obstrutivas, ocasionando sintomas urinários severos, assim como existem próstatas de mais de 100g que não ocasionam obstrução significante, e o indivíduo não tem queixas para urinar.

Quando somente os sintomas referidos pelo paciente e os achados da ultrassonografia não são capazes de dar uma dimensão da obstrução ocasionada pelo HPB, pode ser necessária a realização do estudo urodinâmico. É um exame em que a micção é avaliada e medida em números e gráficos, que fornecem ao urologista uma boa idéia sobre o funcionamento da bexiga, o fluxo urinário, e o grau de obstrução da uretra pela HPB.
O tratamento da HPB pode ser com medicamentos e com cirurgias. O tratamento medicamentoso tem dois principais mecanismos de ação. O primeiro é o uso de uma classe de medicamentos chamada alfa-bloqueadores, que têm como mecanismo de ação relaxar a musculatura lisa na região da próstata e colo vesical proporcionando uma maior abertura à passagem da urina nessa região. Proporcionam efeito imediato, com o paciente apresentando melhora dos sintomas nos primeiros dias de uso. O segundo é chamado de inibidores da 5 alfa redutase, têm efeito direto na glândula prostática, conseguindo reduzir o tamanho prostático. Já estas drogas têm efeito a longo prazo, em cerca de 6 meses ou mais. É importante ressaltar que não são todos os indivíduos que têm boa resposta a estes medicamentos.
Existem diversas modalidades de tratamento cirúrgico para HPB, dentre elas vou enfatizar a “ressecção endoscópica da próstata”, a “prostatectomia a céu aberto” e a “vaporização da próstata”.
A “ressecção endoscópica da próstata”e a “vaporização da próstata” são cirurgias endoscópicas, ou seja, são realizadas com auxílios de ópticas e câmeras introduzidas pela uretra. Na primeira o cirurgião remove diversas fatias de cerca de 5mm da parte interna da próstata, até que observe uma ampla passagem pela uretra. Na segunda, o cirurgião com auxílio de laser ou plasma, gera uma destruição térmica da porção interna da próstata, transformando o tecido próstatico em gás, até que consiga a desobstrução da uretra.
A prostatectomia aberta é a cirurgia convencional onde o cirurgião remove a porção interna da próstata por uma incisão abdominal. Todas as técnicas têm vantagens e desvantagens, e cabe ao urologista direcionar qual é mais apropriada para cada caso.

agendar consulta online